The wikis are now using the new authentication system.
If you did not migrate your account yet, visit https://idp-portal-info.suse.com/

Anuncio de lancamento 15.2

Ir para: navegação, pesquisa

Versão 15.2 do openSUSE Leap traz novos e empolgantes pacotes de Inteligência Artificial, aprendizagem de máquina e containers

EN / CA / CS / DE / FR / ID /IT / ES / JA / ZH-TW / PT

NUREMBERGUE, Alemanha (02/07/2020) – A equipe de lançamento do openSUSE tem o orgulho de anunciar que já está disponível o openSUSE Leap 15.2, distribuição desenvolvida pela comunidade. Usuários profissionais, de desktops e servidores de datacenter a hospedagens de containers e máquinas virtuais (VMs), poderão usar o Leap 15.2 como um sistema operacional Linux de alta qualidade, fácil de usar e de nível empresarial.

Baixe o openSUSE Leap 15.2

Essa versão fornece atualizações de segurança, correções de bugs, melhorias na rede e muitos novos recursos para usuários do openSUSE que contam com uma distribuição estável e escalonável. A plataforma Linux rica e madura do openSUSE suporta cargas de trabalho em sistemas x86-64, ARM64 e POWER. A confiabilidade dos pacotes principais encontrada nas versões anteriores do Leap 15 e as tecnologias mais recentes de código aberto no Leap 15.2 estão prontas para vários casos de uso e cargas de trabalho.

"O Leap 15.2 representa um grande avanço na área de Inteligência Artificial", disse Marco Varlese, um desenvolvedor e membro do projeto. "Estou muito empolgado que os usuários finais do openSUSE agora possam finalmente consumir frameworks e aplicativos de Aprendizagem de Máquina (machine learning) / Aprendizado Profundo (deep learning) por meio de nossos repositórios para desfrutar de um ecossistema estável e atualizado."

O que há de novo

Vários empolgantes pacotes de Inteligência Artificial (IA) e aprendizagem de máquina foram adicionados no Leap 15.2.

Tensorflow: um framework para aprendizado profundo que pode ser usado por cientistas de dados, fornece cálculos numéricos e gráficos de fluxo de dados. Sua arquitetura flexível permite aos usuários implantar cálculos em uma ou mais CPUs em um desktop, servidor ou dispositivo móvel sem reescrever código.

PyTorch: feita para os recursos tanto de servidores quanto de computadores, essa biblioteca de aprendizagem de máquina permite a usuários avançados prototipar um projeto e desenvolvê-lo até a implantação em produção com mais agilidade.

ONNX: um formato aberto criado para representar modelos de aprendizado de máquina, fornece interoperabilidade no espaço de ferramentas de IA. Ele permite que os desenvolvedores de IA usem modelos com uma variedade de frameworks, ferramentas, runtimes e compiladores.

Grafana e Prometheus são dois novos pacotes mantidos que abrem novas possibilidades para especialistas em análise. O Grafana oferece aos usuários finais a capacidade de criar análises visuais interativas. Pacotes de modelagem de dados cheios de recursos como Graphite, Elastic e Prometheus fornecem aos usuários do openSUSE maior latitude para construir, computar e decifrar dados de forma mais inteligível.

Em geral, os pacotes de software na distribuição cresceram às centenas. Fusão de dados, aprendizagem de máquina e IA não são tudo o que há de novo no openSUSE Leap 15.2; um kernel de tempo real para gerenciar o tempo dos microprocessadores para garantir que eventos críticos sejam processados ​​da forma mais eficiente possível está disponível nessa versão.

"A adição de um kernel de tempo real ao openSUSE Leap abre novas possibilidades", disse Gerald Pfeifer, presidente do conselho do projeto. "Pense em computação de borda, sistemas embarcados, captura de dados, todas áreas que tem visto imenso crescimento. Historicamente, muitas delas tem sido o domínio de abordagens proprietárias; o openSUSE agora abre as comportas para desenvolvedores, pesquisadores e empresas interessadas em testar recursos de tempo real ou talvez até mesmo contribuir. Mais um domínio que o código aberto ajuda a abrir!"

Tecnologias de container

Os usuários do openSUSE terão mais poder para desenvolver, enviar e implantar aplicativos containerizados usando as mais novas tecnologias de container que estão sendo mantidas pela distribuição.

Pela primeira vez, o Kubernetes é um pacote oficial na versão. Isso dá um enorme impulso à capacidade de orquestração de containers, permitindo aos usuários automatizar implantações, escalonar e gerenciar aplicativos containerizados.

O Helm, gerenciador de pacotes do Kubernetes, também foi adicionado. O Helm ajuda desenvolvedores e administradores de sistemas a gerenciar complexidade definindo, instalando e atualizando aplicativos Kubernetes os mais complexos.

A Container Runtime Interface (CRI) usando runtimes compatíveis com a Open Container Initiative (OCI) também é uma novidade dessa versão. A CRI-O é uma alternativa leve ao uso do Docker como runtime, o que permite ao Kubernetes usar qualquer runtime de container compatível com a OCI para executar pods ou processos em execução em um cluster.

Mesmo com o Docker, o uso de microsserviços será seguro graças à chegada de mais pacotes de containers nessa versão.

O Cilium ajuda a proteger de forma transparente a conectividade de rede e o balanceamento de carga entre containers de aplicativos e serviços implantados usando frameworks de containers para Linux como Docker e Kubernetes. O Cilium fornece uma maneira eficiente de definir e aplicar as políticas de segurança da camada de rede e da camada de aplicação, que são baseadas em identidades de containers/pods.

O Leap 15.2 oferece as funções de sistema (system roles) Servidor e Servidor Transacional. A função de sistema Servidor usa um pequeno conjunto de pacotes adequados para servidores com uma interface em modo de texto, enquanto a função de sistema Servidor Transacional é semelhante à função Servidor, mas usa um sistema de arquivos raiz somente leitura para possibilitar atualizações atômicas e automáticas para o sistema sem interferir no sistema em execução.

Processo de instalação

O instalador do openSUSE continua poderoso e versátil como sempre, permitindo facilmente ajustar todos os aspectos do sistema. O processo de instalação apresenta várias melhorias, como uma caixa de diálogo mais amigável para a seleção da função do sistema, mais informações sobre o progresso da instalação, melhor compatibilidade com idiomas escritos da direita para a esquerda, como o árabe, e muitas outras pequenas melhorias.

No Leap 15.2, o instalador detecta com mais precisão as partições do Microsoft Windows criptografadas com BitLocker e faz melhor gerenciamento dos dispositivos de armazenamento do Raspberry Pi. O instalador também facilita ajustar a mitigação de ataques baseados na CPU, como Spectre ou Meltdown.

As instalações autônomas com o AutoYaST foram bastante melhoradas. Muitos aspectos foram polidos em todos os níveis. Mais opções de configuração foram adicionadas e os possíveis erros no perfil do usuário e no processo de instalação agora são tratados e relatados de maneira mais sensata e informativa.

Melhorias no YaST - a mais completa ferramenta de configuração para Linux

O Particionador do YaST continua sendo a ferramenta mais poderosa para configurar todos os tipos de tecnologias de armazenamento no Linux, seja durante a instalação do sistema ou em qualquer momento depois. Essa versão incorpora a possibilidade de criar e gerenciar um sistema de arquivos Btrfs que se expande por vários dispositivos e permite o uso de tecnologias de criptografia mais avançadas.

O Leap 15.2 é a primeira versão do openSUSE a introduzir uma mudança gradual que divide a configuração do sistema entre os diretórios /usr/etc e /etc. O YaST suporta essa nova estrutura em todos os módulos afetados, oferecendo aos administradores de sistemas um ponto central para inspecionar configuração que os ajudará durante a transição e no futuro.

O openSUSE Leap pode ser executado sobre o Windows Subsystem for Linux (WSL), fornecendo o poder do openSUSE para o mundo Windows. A versão do YaST no Leap 15.2 melhora a compatibilidade com essa plataforma, especialmente ao executar o YaST Firstboot para executar todos os ajustes necessários no primeiro uso.

Áreas de trabalho

Embora as áreas de trabalho nessa versão sejam novas, o foco permanece na versão fixa mais conservadora.

A versão com suporte estendido (long-term support, LTS) mais recente do KDE Plasma 5.18 está disponível no Leap 15.2 e possui uma quantidade significativa de recursos novos e polidos. As notificações são mais claras, as configurações foram simplificadas e a aparência de forma geral é mais atraente.

O GNOME foi atualizado da versão 3.26 que estava disponível no Leap 15.1 para a versão 3.34 no Leap 15.2. O novo GNOME traz uma quantidade considerável de atualizações visuais para vários aplicativos. Mais fontes de dados no Sysprof facilitam ainda mais a criação de perfis de desempenho de um aplicativo e há várias melhorias no Builder, incluindo um inspetor D-Bus integrado.

O Xfce teve uma atualização menor para a versão 4.14 depois de mais de quatro anos de desenvolvimento; a nova versão produziu uma enorme quantidade de atualizações e novos recursos, incluindo melhorias no gerenciador de janelas, gerenciador de arquivos, localizador de aplicativos e gerenciamento de energia.

Imagens, hardware e arquiteturas de nuvem

Imagens do Leap para a nuvem do Linode já estão disponíveis hoje e prontas para todas as necessidades de infraestrutura. Serviços de armazenamento na nuvem, como Amazon Web Services, Azure, Google Compute Engine e OpenStack, oferecerão imagens do Leap 15.2 nas próximas semanas. A série 15 do Leap é continuamente otimizada para cenários de uso virtualizado na nuvem tanto como hospedeiro quanto como convidado.

Desktops e notebooks Linux da TUXEDO Computers podem ser adquiridos com o Leap 15.2 pré-instalado. O Leap 15.2 também pode ser encomendado pré-instalado da Slimbooks.

O Leap pode ser instalado em computadores físicos ou virtuais, como hospedeiro ou convidado, e na nuvem. Portes para outras arquiteturas como ARM64 e POWER são esperados nas próximas semanas

Componentes principais

Compiladores, linguagens de script, ferramentas de configuração do sistema e interfaces gráficas do usuário foram aprimoradas.

A GNU Compiler Collection versões 7 a 9 estão disponíveis nessa nova versão menor do Leap juntamente com uma versão atualizada do pacote de gráficos 3D Mesa para suportar o uso do sistema operacional de nível profissional. O Leap 15.2 traz a mesma versão 234 do systemd usada no Leap 15.0 e 15.1.

O suporte a novos hardwares gráficos foi retroportado (backported) para o kernel Linux 5.3 que será usado na versão 15.2 do Leap. As funcionalidades do kernel automaticamente se tornam disponíveis no Leap, uma vez que a distribuição compartilha o mesmo kernel com o SUSE Linux Enterprise (SLE).

O openSUSE Leap 15.2 é uma distribuição com pacotes comunitários construídos sobre os fontes do coração do SLE 15 Service Pack 2. O núcleo comum compartilhado e o alinhamento com o SLE facilitam migrações para o produto corporativo da SUSE para profissionais que queiram estender o ciclo de vida de manutenção e segurança, uma vez passado o ciclo de vida do Leap. Migrar da versão comunitária do Leap para o SUSE Linux Enterprise é uma opção disponível para quem desejar migrar. A migração de servidores com openSUSE Leap para o SUSE Linux Enterprise é fácil para os integradores de sistema que trabalham sobre o código do Leap e podem decidir migrar para uma versão corporativa para SLAs, certificação, implantação em massa ou suporte estendido.

Pacotes de saúde

Esta versão do Leap traz mais funcionalidades para os serviços de saúde. O GNU Health, premiado sistema de gerenciamento de informações hospitalares, vem na versão 3.6.4. Apresenta uma interface gráfica atualizada e está preparado para o rastreamento da pandemia de Covid-19, incluindo códigos atualizados do CID-10 e funções laboratoriais aprimoradas. O GNU Health pode interagir diretamente com o Orthanc, o servidor PACS gratuito, que é um pacote novo nessa versão. Com o openSUSE Leap, os desenvolvedores das áreas médica e da saúde tem várias ferramentas de código aberto que podem ser usadas para criar poderosas interfaces (GUI) e experiências de usuário (UX) para dispositivos médicos. Os desenvolvedores de dispositivos de assistência médica podem confiar no uso, desempenho e suporte a hardwares tanto novos quanto antigos do Leap.

Gerenciamento de configurações

Administradores de sistemas terão as ferramentas mais atuais para gerenciamento de configurações. O Salt 3000 chegou no Leap; a nova versão do Salt remove o versionamento da data e fornece novas funções para chroot: apply, sls e highstate. Ela também atualiza a sintaxe de slot para suportar análise de respostas de dicionário e anexar texto. O Ansible também está disponível para administradores de sistemas. Funciona sobre SSH e não requer que nenhum software ou daemon seja instalado em nós remotos.

Groupware e hospedagem de arquivos

Os serviços de nuvem e de compartilhamento de arquivos incluem softwares como o NextCloud e até a suíte de aplicativos de groupware Kopano (antes conhecida como Zarafa) faz parte dos repositórios oficiais do Leap 15.2.

Como nas versões anteriores, administradores de sistemas e pequenos negócios podem usar o Leap para hospedar servidores web e de e-mail ou para gerenciar suas redes com DHCP, DNS, NTP, Samba, NFS, LDAP e centenas de outros serviços.

Ciclo de vida do Leap

Versões menores da série Leap 15 tem um ciclo de vida de aproximadamente 18 meses e são lançadas aproximadamente uma vez por ano. Usuários do openSUSE Leap 15.1, que foi lançado em maio de 2019, são aconselhados a atualizar para o Leap 15.2 dentro dos próximos 6 meses. A primeira versão do Leap 15 foi lançada há dois anos.

Baixe o openSUSE Leap 15.2

O Projeto openSUSE é uma comunidade ao redor do mundo que promove o uso do Linux em todos os lugares. Ele cria duas das melhores distribuições Linux do mundo: a Tumbleweed, atualizada continuamente (rolling-release), e a Leap, distribuição híbrida de empresa e comunidade. O openSUSE trabalha continuamente de maneira conjunta, aberta, transparente e amigável como parte da comunidade internacional de software livre e de código aberto (Free and Open Source Software – FOSS). O projeto é comandado por sua comunidade e depende das contribuições de indivíduos que trabalham como testadores, escritores, tradutores, especialistas em usabilidade, artistas, embaixadores ou desenvolvedores. O projeto abrange uma ampla variedade de tecnologias, pessoas com diferentes níveis de conhecimentos, que falam diferentes línguas e possuem diversas raízes culturais. Saiba mais sobre o Projeto openSUSE em opensuse.org.

Tradução feita pelo Projeto Linux Kamarada